Londrina sedia 1o Fórum dos Conselhos Municipais do Meio Ambiente do Estado do Paraná com 27 cidades participantes

Fórum reúne conselheiros municipais do meio ambiente em Londrina para compartilhar conhecimento e experiências

Conselheiros municipais do meio ambiente do Paraná todo lotaram o anfiteatro Cyro Grossi, no Centro de Ciências Biológicas (CCB) da Universidade Estadual de Londrina (UEL), na última segunda-feira (14), para o 1º Fórum dos Conselhos Municipais do Meio Ambiente do Estado do Paraná. O encontro debateu desafios e soluções de sucesso aplicadas em cidades paranaenses no setor ambiental, desde coleta seletiva de lixo até compensações por impactos ambientais.

Ao todo, foram 150 participantes de 25 cidades do Paraná, como Alto Paraná, Apucarana, Assaí, Astorga, Cambé, Cascavel, Curitiba, Goioerê, Guarapuava, Ibiporã, Jardim Alegre, Jataizinho, Lapa, Londrina, Mandaguari, Marilândia, Maringá, Paranavaí, Ponta Grossa, Rolândia, Santa Isabel do Ivaí, Sertanópolis, Tibagi e Toledo, além de duas do interior de São Paulo: Assis e Campinas.

O prefeito Marcelo Belinati participou da abertura e destacou a importância de transformar Londrina numa capital da natureza, assunto que foi apresentado na palestra de encerramento ministrada por Charles dos Santos, presidente do Conselho Municipal do Meio Ambiente de Londrina (Consemma). Antes, o destaque foi a fala de Silvio Barros, ex-prefeito de Maringá e referência na área ambiental. “É inegável que a atividade humana impacta em questões como aquecimento global. O que precisamos fazer é colocar em prática ações que minimizem os efeitos”, disse.

Também participaram como palestrantes o presidente da Federação Nacional de Conselhos de Meio Ambiente (Fecondema) e diretor para Conselhos de Meio Ambiente da Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (Anamma), Carlos Alexandre Silva; e o advogado e professor da área de Direito Civil e Ambiental, Dr Luciano Tinoco Marchesini. O fórum teve ainda dois talk shows, apresentando cases de sucesso de conselhos municiais paranaenses.

Fórum do Meio Ambiente: Palestra “Desafios da Sustentabilidade na Agenda 2030 da ONU e o papel dos conselhos”

Ex prefeito de Maringá, Silvio Barros, com forte atuação na área ambiental, vai explanar sobre a Agenda que foca nos Objetivos do Milênio e outros tratados mundiais sobre sustentabilidade e conscientizar os conselhos sobre seu papel

PALESTRANTE - SILVIO BARROS

A Agenda 2030 das Organização das Nações Unidas (ONU) é um plano de ação para o planeta nos próximos 21 anos, baseada em quatro pilares, sendo o principal deles, os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). As demais bases da Agenda são o Acordo de Paris, sobre mudanças climáticas, a Agenda do Habitat III, para urbanização sustentável, e o Protocolo de Sendai ou Declaração de Sendai e o Marco para a Redução de Riscos de Desastres.

Toda essa preocupação mundial será tema da palestra “Desafios da sustentabilidade na Agenda 2030 da ONU e o papel dos conselhos de meio ambiente”, com Silvio Barros. O  ex prefeito de Maringá por dois mandatos e  Diretor da empresa Solução Consultoria há 30 anos, tem forte atuação na área de sustentabilidade, dirigindo a Fundação Vitória Amazônica, maior ONG ambientalista do estado do Amazonas, Consultor e Assessor da ABIH Nacional para implantação do Programa de Responsabilidade Ambiental – Hospedes da Natureza, e ainda  Consultor do SEBRAE PR e  Consultor do Ministério do Meio Ambiente para a OEA e PNUMA para a elaboração do PROECOTUR, Programa de Ecoturismo da Amazônia Brasileira, entre outras ocupações.

Como prefeito de Maringá, ele destaca várias ações no meio ambiente, bem sucedidas. “Os avanços mais importantes foram na área de florestas urbanas, com a implantação do Plano Diretor da Mata Atlântica, junto com SOS Mata Atlântica, que nos permitiu implementar os corredores de biodiversidade dentro da cidade, ampliando de 30 para 60 metros a área de proteção de fundos de vale, como compensação de verticalização de empreendedores, além de fazer o cercamento de todos, para evitar que se tornassem locais para depósito de lixo”, cita.

Sobre a Agenda 2030, Barros vai procurar conscientizar os participantes do Fórum:  “Os conselhos de meio ambiente deveriam conhecer profundamente essa agenda, e ver de que forma conseguem adaptar suas responsabilidades e suas cidades, para alcançar esses objetivos, e por consequência, aumentar a capacidade de sobrevivência humana no planeta.”

Confira detalhes no site: www.consemmalondrina.com.br

Inscreva-se: 1o Fórum dos Conselhos Municipais do Meio Ambiente do Estado do Paraná