06 de outubro: Dia Nacional do Doador de Medula Óssea

Data incentiva o cadastro no REDOME, e atenta o doador para a constante atualização de dados

ANDREA_MEDULA2 copy.jpg

Ser doador voluntário de medula óssea é fazer um cadastro, com dados pessoais, e coletar uma pequena amostra de sangue. E se for chamado, decidir se realmente vai doar a medula para quem precisa de um transplante. Simples assim. Mas o valor desse ato segue no mesmo caminho da raridade da compatibilidade com um receptor: um para cem mil entre pessoas não aparentadas, e um para um milhão, entre brasileiros com maior índice de miscigenação, segundo a Federação Médica Brasileira. 

O Brasil está bem servido nesse quesito, tem o terceiro maior cadastro do mundo, com mais de quatro milhões de doadores  É o chamado REDOME – Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea, coordenado pelo INCA – Instituto Nacional de Câncer, um banco que reúne todos os dados dos voluntários, como nome, endereço, resultados de exames e características genéticas. Em Londrina, esse primeiro cadastro é feito no Hemocentro do Hospital Universitário, que repassa as informações ao REDOME. “Por ano, são feitos de mil a 1500 cadastros novos no HU, o que é um número significativo, se considerarmos que o Brasil recomenda que não haja campanhas para novos doadores”, revela Fausto Trigo, diretor do Hemocentro.

Atualmente, o maior esforço é no sentido de chamar os nomes cadastrados para entrar no site do REDOME e atualizar as informações, “caso contrário, esse cadastro fica perdido”, completa Trigo, e o potencial doador não é localizado. O outro trabalho tem sido no sentido de buscar grupos étnicos com menos miscigenação, que é o caso de indígenas, grupos de imigração, etc.

Quando houver um paciente com possível compatibilidade, esse potencial doador é convocado,  para decidir quanto à doação. Como as informações são sigilosas, o Hemocentro do HU não tem dados sobre quantos doadores cadastrados daqui puderam de fato contribuir com o transplante de medula óssea. Mas o levantamento nacional dá conta de que em 2018, o Brasil registrou um número recorde de transplantes com doadores de fora da família, em que a compatibilidade para não parentes é maior.

O transplante é um tipo de tratamento proposto para algumas doenças benignas ou malignas que afetam as células do sangue, desde as oncológicas e algumas hematológicas. Ele consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula.

Hoje,  Dia Nacional do Doador de Medula Óssea, é uma data para não apenas incentivar a todos a se tornar um doador voluntário. Mas também para chamar a atenção para a importância da atualização do cadastro. Se você tem entre 18 e 54 anos e está em bom estado de saúde, participe dessa ação de amor ao próximo!

Atualize seu cadastro aqui no site do Redome Nacional.

Publicado por

Adriana Pontin

Empreendedora, sonhadora, cristã e apaixonada pela vida. Formada em Secretariado Executivo Trilingue com enfase em ADM e Teologia. Desde 2008 realizando sonhos e projetos através da empresa Excelência Mkt & Eventos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s